V/ Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
R/Ámen.

1. Convite à oração: Estamos na Semana Santa, que as Igrejas do Oriente chamam «Semana Grande» e que o antigo rito da Igreja de Milão conhecia por «Semana autêntica». E esta semana é «santa» e é «grande» pela importância e pelas consequências do grande acontecimento, que celebramos: a entrega de Jesus, a sua Paixão, morte e ressurreição. A melhor forma de rezarmos, nesta semana, é a de vivermos, com autenticidade, estes acontecimentos, desde o Domingo de Ramos ao Domingo de Páscoa, participando nas celebrações, tão belas, que a Liturgia da Igreja nos oferece e para as quais somos todos convidados a participar. Podemos iniciar esta semana, lembrando as palavras do profeta Isaías:

2. Leitura bíblica: “O Senhor deu-me a graça de falar como um discípulo, para que eu saiba dizer uma palavra de alento aos que andam abatidos. Todas as manhãs Ele desperta os meus ouvidos, para eu escutar, como escutam os discípulos. O Senhor Deus abriu-me os ouvidos, e eu não resisti nem recuei um passo” (cf Is.50,4-7)

3. Breve diálogo sobre este texto:

a) O verdadeiro discípulo segue Jesus. Procura escutar, guardar e cumprir a sua Palavra. Mas o verdadeiro discípulo procura também ter em si «os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus» (Fil.2,5): sendo Ele de condição divina, fez-se homem; sendo Ele o Senhor, fez-se servo; sendo o Filho de Deus, fez-se crucificado, por amor, suportando a humilhação da Cruz.

b) Nesta semana, somos desafiados à «Imitação de Cristo», isto é, somos convidados a seguir Jesus, a levar a nossa fidelidade ao seu amor, até ao fim, custe o que custar. Somos convidados a ajudar os outros a suportar o peso da cruz, da solidão, da doença, do desespero. São Paulo diz: «sede meus imitadores como eu o sou de Cristo» (I Cor.11,1). E convida-nos a olhar atentamente “para aqueles” que nos servem de modelo, para não procedermos como “inimigos da cruz de Cristo”, que apenas procuram a sua satisfação imediata. Pensemos, durante esta semana, em algumas pessoas, como nós, do nosso tempo, que nos podem inspirar nesta imitação de Cristo, que nos podem ajudar a seguir os seus passos. Pensemos nos «santos» que têm o mesmo nome que nós! E invoquemos o seu auxílio.

4. Gesto: Escrever na 6ª porta o nome de três santos, que nos servem de referência, na imitação e no seguimento de Jesus, até ao fim. Durante a semana, participar nas celebrações do Tríduo Pascal.

5. Pai-Nosso

6. Oração conclusiva:

Abri, Senhor, nosso Deus,
a porta dos nossos ouvidos
para escutarmos,
como escutam os discípulos.
R/ Ámen!

Abri, Senhor,
a porta da nossa boca,
para que saibamos dizer uma palavra de alento
aos que andam abatidos.
R/ Ámen!

V/ Abri, Senhor,
a porta dos nossos corações,
para que possamos imitar
e seguir os passos do vosso Filho Jesus Cristo,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
R/ Ámen!