Uma enigmática dúvida

Na origem da capela da Ajuda encontram-se raízes locais de ligação com as actividades marítimas, desde a construção naval, à pesca e até ao comércio. A construção de uma capela neste lugar dava a oportunidade aos operários e marinheiros de puderem pedir protecção divina e agradecer o regresso a bom porto, das suas viagens para o alto mar.

 

Desta forma, a localização da capela da Ajuda torna-se conveniente pela sua proximidade com o estaleiro, podendo assim os operários satisfazerem todos os preceitos religiosos, outrora mais urgentes.

Capela do Senhor e da Senhora da Ajuda

Contudo, a história nem sempre se encontra documentada, o que impossibilita datar com exactidão o ano da construção da Capela da Ajuda, transpondo a sua origem para uma enigmática dúvida.

 

No entanto, poder-se-á concluir, com relativa segurança, que a Capela da Ajuda deve ter sido construída nos finais do séc. XVI ou início do séc. XVII, sendo que a primeira prova tangível da sua existência data do séc. XVIII, num testamento.

 

Esteve sobre a administração de famílias da Foz do Douro, da Junta Paroquial (1842), da Confraria do Santíssimo Sacramento, Senhor do Bonfim e Almas (1887-1891) e finalmente pela Confraria do Senhor e da Senhora da Ajuda (1902 - ).

 

Visita Guiada

O átrio da frente da capela está coberto por um alpendre que apoio sobre colunas de granito e é vedado a toda a volta por dois tapumes em pedra, por um muro de pouca altura encimado por grades de ferro e um portão também em ferro. Pela parte de dentro, há a toda a volta um banco de pedra, sendo o tecto deste pátio construído em madeira de castanho.

Enquanto que a nave é muito simples, a capela-mor apresenta aspectos de certo fausto. O retábulo do altar-mor é pomposo, com a sua talha, em madeira dourada, com as imagens dos patronos (a do Senhor da Ajuda ladeada pelas figuras de Nossa Senhora e S-. João Evangelista, a da senhora da Ajuda dentro de um nicho a meio do retábulo e também as imagens de S. José e de Santa Águeda).

Possui um altar, desde 1967 e um sacrário.

As paredes dos dois lados são revestidas por uma cobertura de madeira, entalhada e pintada a marfim e ouro, tendo incrustados quatro quadros em tela que reproduzem o aparecimento da Senhora a Catarina Fernandes (dois deles) e os restantes imagens da vinda do Senhor da Ajuda para a capela.

O arco da capela-mor é construído em alvenaria e detém alguma imponência, sendo que em cada um os lados se vê um anjo esculpido e madeira.

No corpo da nave existem dois altares. Num encontra-se a imagem de S. Francisco Xavier no outro venera-se o Santo António de Lisboa.

Os tectos da abside e da nave estão divididos por nervuras de madeira de castanho em caixotões, cada um deles com uma tela, representando um dos diferentes passos das vidas de Jesus e de Virgem Maria.

A Capela da Ajuda tem púlpito e coro e a iluminação natural faz-se através de seis frestas guarnecidas de vitrais, que remontam a 1920.